• foto
OBRAS DA COLEÇÃO TREGER/SAINT SILVESTRE
Curadoria Antonia Gaeta

Ao analisar o significado etimológico de extravagância, apercebemo-nos que esta palavra remete para alguma coisa que se encontra fora de um conjunto principal ou de algo que se cria ou se descobre graças a uma postura anímica solta e ligeira, a um andar sem rumo por caminhos inusitados e desviantes. Uma situação inconstante ou rapidamente mutável, fora do comum, bizarra. Um extra-vagar que à ratio e às normas substitui a intuição e o visionário, que conjuga genialidade e folia, demência e insanidade com situações paradoxais e anómalas.
Privilegiando a pars destruens da Colecção Treger/Saint Silvestre, ou seja, uma análise da ideia de beleza e harmonia, reuniu-se sob o nome de Extravaganza, um conjunto de obras que têm como denominador comum uma dinâmica especulativa não linear.
Um certo sentimento de surpresa levemente anunciado envolve a exposição que se quer irreverente, descontínua e artificiosa. Extravaganza assenta na estranheza, na obsessão pelo obsceno e o nonsense, a recusa de regras lógicas onde há espaço para abstracções, o gosto pelo absurdo, a incongruência e todo o tipo de paradoxos. (Antonia Gaeta)


Patente no Centro de Arte Oliva de 13 de abril a 15 de setembro 2019.
Todos os direitos reservados - © S. João da Madeira - Turismo Industrial